Ícone do site The Journal of Africa

Saara Ocidental: Israel está tentando colocar o Marrocos sob tutela?

Ao reconhecer a soberania do Marrocos sobre o Saara Ocidental, Israel passa a ter um forte aliado no continente africano.

Demorou nada menos que três anos. Enquanto os Estados Unidos reconheceram, no final de 2020, a soberania de Marrocos sobre o Sahara Ocidental, em troca de uma normalização das relações entre o reino Cherifian e Israel, Tel Aviv demorou a fazer também este prometido anúncio de soberania. Agora está feito. Mas esperar que Israel reconhecesse a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental exigiu um longo processo diplomático.

Em primeiro lugar, porque as relações entre Marrocos e Israel nem sempre foram boas nos últimos anos. Rabat, de fato, nunca hesitou, apesar de sua aprovação dos Acordos de Abraham, em condenar a colonização israelense vis-à-vis a Palestina. Especialmente quando a violência israelense aumentou.

No entanto, após a assinatura dos Acordos de Abraham, tudo parecia estar indo bem no melhor dos dois mundos entre os dois estados. Israel até enviou, historicamente, altos funcionários israelenses para o Marrocos. Ministros, mas também oficiais do exército, foram a Rabat para estabelecer parcerias econômicas e de segurança. Ano passado, O Marrocos até procurou se equipar com equipamentos de defesa israelenses.

Mas o Marrocos finalmente estagnou em suas relações com Israel. Além de condenar a violência perpetrada contra os palestinos, Rabat também desistiu de sediar em junho o Fórum do Negev, que reuniria os países árabes signatários dos Acordos de Abraham, Estados Unidos e Israel.

Mas se Rabat queria se distanciar de Israel, e mais particularmente de seu governo de extrema-direita, Tel-Aviv encontrou uma solução: reconhecer a soberania de Marrocos sobre o Saara Ocidental obrigará Rabat, nas próximas semanas e meses, a ser mais flexível com seu novo parceiro.

Marrocos, através do seu rei, tinha pediu aos seus parceiros que tomassem uma posição clara sobre a questão do Saara Ocidental. Isso é feito por Israel, que agora pode contar com o apoio implícito de Marrocos, particularmente na África, onde Tel Aviv já registrou um desprezo ao solicitar o status de observador na União Africana.

Saia da versão móvel