Ícone do site The Journal of Africa

No Senegal, um diálogo nacional fadado ao fracasso?

Macky Sall

O presidente do Senegal, Macky Sall, lança hoje um diálogo nacional com a oposição. Mas este último está dividido e vários opositores decidiram boicotar a iniciativa.

Em todo o continente africano, os diálogos nacionais iniciados pelos poderes em vigor experimentar muitos e variados resultados. No Chade, diálogo nacional inclusivo não correspondeu às expectativas. Em Central, a oposição não para de pedir mais ao presidente, enquanto no Gabão Ali Bongo conseguiu a façanha de conquistar uma constituição feita sob medida sem ofender os oponentes.

É difícil saber o que será dito durante o diálogo nacional senegalês. A única certeza: será difícil, senão impossível, para o presidente Macky Sall conciliar poder e oposição. Porque Ousmane Sonko está, há alguns dias ainda mais, determinado a ir ao confronto.

No entanto, esta quarta-feira começa de fato o início desse diálogo nacional. À tarde, o palácio presidencial acolherá a cerimónia de lançamento oficial, com 24 horas de atraso. Certamente pelos acontecimentos relacionados ao “acompanhamento” de Sonko.

Acontecimentos que quase colocariam este diálogo nacional em segundo plano, ainda que, do lado do Governo, se assegure que “o diálogo é uma tradição no Senegal” e que “todas as questões serão discutidas”.

Sem Sonko ou Aminata Touré

A cada operação desse tipo na África, uma ínfima parte da oposição participará da iniciativa presidencial. Mas, surpreendentemente, o partido Taxawu Senegal de Khalifa Sall anunciou sua participação. Se promete uma presença “sem compromisso nas lutas travadas na oposição”, é uma primeira vitória de Macky Sall. Mas o partido tem uma ideia em mente: contestar uma possível "terceira candidatura inconstitucional e ilegítima do presidente".

Aliás, esta será a principal questão do diálogo nacional. A oposição aguarda respostas sobre as ambições de Macky Sall. Ela também pede explicações sobre a inelegibilidade pronunciada contra alguns adversários, incluindo Khalifa Sall, Karim Wade e, claro, Ousmane Sonko. Além da questão do terceiro mandato, tratar-se-á também de uma alteração do código eleitoral, que deverá permitir a estes últimos serem candidatos.

Sabíamos que Ousmane Sonko se recusaria a dialogar. E ele não será o único. A ex-aliada de Macky Sall, Aminata Touré, também decidiu boicotar a cerimônia, assim como Déthié Fall. Uma primeira falha para esta consulta que, portanto, promete ser malsucedida. Os adversários também decidiram lançar um "contradiálogo" com o povo.

Saia da versão móvel