Ícone do site The Journal of Africa

África, eterna ausente das cimeiras do G20

Enquanto a próxima cúpula do G20 será realizada em Roma em 30 e 31 de outubro de 2021, a África ainda está faltando. Por que o continente brilha tanto com sua ausência?

Foi em abril de 2020. Os ministros das finanças do G20 concordaram em suspender parcialmente o serviço da dívida de muitos estados de baixa renda, incluindo vários países africanos. Uma decisão tomada unilateralmente pelos membros do G20, do qual a África do Sul é o único membro africano. Este é um debate que persistiu por muitos anos: a África está praticamente ausente deste “grupo dos 20” países mais ricos. O continente é o menos representado no G20 - com exceção da Oceania que tem apenas a Austrália.

Em 2008, porém, quando os países do G20 se reuniram em Washington para discutir a reforma do sistema financeiro internacional, a África teve a oportunidade de pesar um pouco mais dentro do clube de líderes dos países industrializados e emergentes mais ricos. “Previa-se que a África teria seu próprio representante (…) pelo menos como observador, explicou Philippe Hugon, pesquisador do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (Iris), em Les Echos. Mas os países africanos não aproveitaram esta oportunidade e não a pediram ”.

“A África não pode ser deixada à margem porque é o futuro do mundo”

Pouco antes da cúpula de Washington, o presidente congolês Denis Sassou N'Guesso falou "em nome de todos os chefes de estado africanos" e indicou que é "inaceitável que a África seja marginalizada. Da reunião americana do G20, como outras. Sete chefes de estado africanos pediram então ao "DSN" que os representasse na cimeira de Washington. O chefe de estado congolês exigiu que a União Africana encontrasse o seu lugar dentro do grupo. “O que está em jogo hoje é o futuro do mundo, a África não pode ficar à margem porque é precisamente o futuro do mundo”, afirmou na altura.

Um ano depois, desta vez em Londres, a África estava mais uma vez ausente das discussões de uma reunião do G20. Uma verdadeira injustiça: as discussões do "grupo dos 20" permitem em particular reformar o sistema financeiro mundial, mas excluir dele um continente inteiro impede que os 54 países que o compõem sejam ouvidos, apesar da presença da África do Sul O Sul que existe em nome próprio e não no do continente.

De fato, a África é, portanto, amplamente esquecida nas decisões que resultam das sucessivas reuniões do G20. Como podem os únicos países ricos que compõem o G20, mesmo por um momento, pensar em um continente que eles conhecem mal? Principalmente porque a queda perpétua do preço das matérias-primas, aliada à redução da ajuda dos países desenvolvidos à África, têm consequências econômicas reais para o continente.

Em 2017, a Alemanha convida a África para a cúpula do G20

Em 2017, a Alemanha sediou a cúpula anual do G20. Um encontro excepcional para a África: dois representantes africanos - o presidente senegalês Macky Sall e o presidente da UA, Alpha Condé - foram convidados pela primeira vez, vários chefes de estado africanos foram recebidos pelo chanceler.

“Esta presença nada deve ao acaso. A população africana dobrará até 2050, atingindo pelo menos 2,5 bilhões de habitantes, e metade dessa população terá menos de 25 anos, disse Friederike Röder, diretor da ONG One France naquele ano. A África caminha para se tornar o continente mais dinâmico e mais jovem do planeta ”.

Uma presença africana que muito deve à Alemanha. A Chanceler Angela Mergel tinha, em 2017, indicado que daria um lugar privilegiado à África. O G20 discutiu então uma “Parceria com a África”.

O fato é que, fora este G20 em 2017, a África hoje permanece muito distante das discussões das várias cúpulas internacionais. Questiona-se se, um dia, os países africanos poderão participar na tomada de decisões do “grupo dos 20”. Entretanto, o continente só tem de seguir o caminho traçado pelo G20… sem poder traçar os seus contornos.

Saia da versão móvel